Ruínas da Bahia - Capela de São Braz




Texto: Humberto Diniz


     A Capela de São Braz, pertencente ao povoado de mesmo nome, é um exemplo de patrimônio histórico destruído por falta de manutenção. O povoado de São Braz pertence ao município de Santo Amaro, e está localizada próxima a estrada de acesso ao distrito de Acupe, na BA 878. 


    A capela data do final do século XVII. Originalmente com 270m², a edificação encontra-se atualmente desocupada e em ruínas. Situada no topo de uma colina, no ponto mais alto do povoado, seu entorno atualmente é utilizado como cemitério local.

Vegetação cobre as fachadas remanescentes da capela.

     A capela foi possivelmente edificada pelos jesuítas que possuíam propriedades no local, na segunda metade do Século XVII. Em 1710 se estabeleceu no local um engenho, que no século XIX pertenceu ao Barão de Rio Fundo. O solar do engenho estava situado na parte baixa, à beira de um braço de mar, cerca de 500m da capela. Em meados do século XX, a capela já não integrava mais a propriedade do engenho. 

     Em 1942, o IPHAN inspecionou o monumento e constatou que parte das paredes foram tomadas por raízes e trincadas, as esquadrias estavam parcialmente arruinadas e parte do telhado havia desabado. As imagens sacras remanescentes foram então entregues a um responsável local e posteriormente ao antigo solar do engenho. Em 1951 as imagens foram levadas a Santo Amaro, reencarnadas e colocada na nova capela do povoado.

      A capela foi documentada pelo Inventário de Proteção do Acervo Cultural da Bahia – IPAC em 1976. No registro da época ainda era possível observar a fachada apresentando portada com frontão curvo partido, ladeada pelas janelas baixas e coro. Atualmente, a fachada está coberta por vegetação que cresce na alvenaria cujas raízes destroem o templo.

Lateral da Capela em ruínas em 2010 e  imagem de 1976
Fachada da Capela em ruína 1976 e 2010
Lateral da Capela em Ruína. Planta baixa das ruínas remanescentes, de 1976.

Com dados do  IPAC-BA: Inventário de proteção do acervo cultural: monumentos e sítios do Recôncavo, I parte. 2. ed. Salvador: Secretaria da Indústria e Comércio, 1982, v. 2.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A região de São Bráz era conhecida como Patativa. A partir da capela, se descortina vasta região de vales e mangues e trecho da Baía de Todos os
      Santos, especialmente a Ilha de Cajaíba e a enseada de S. Francisco do Conde. O antigo solar do engenho que pertencia ao Barão de Rio Fundo estava situado na parte baixa, à beira de um braço de mar, distando cerca de 500m da capela.

      Excluir
  2. Estive no lical no dia 29/11 e fiquei triste com a falta de cuidado com os monumentos históricos.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...